COMITÊ OLÍMPICO NACIONAL E FEDERAÇÕES ELABORAM PLANO DE ACÇÃO PARA O REGRESSO SEGURO AOS TREINOS

Depois do presidente da república Filipe Nyusi, anunciar o relaxamento das medidas restritivas ao desporto, apenas para atletas envolvidos na preparação olímpica, o gabinete médico do Comitê Olímpico Nacional, reuniu-se com as federações nacionais envolvidas, para propor medidas para a retoma segura aos treinos em meio a pandemia de covid-19.

POR: ELTON VALDEMIRO

No balanço do encontro que teve lugar na última terça-feira, o Comitê Olímpico Nacional esclareceu que a retoma aos treinos dos atletas qualificados ou em fase de qualificação aos jogos olímpicos, dependerá da autorização das autoridades sanitárias, que poderão fazer testes de rastreio aos atletas antes que os mesmos retomem à actividade:

“Parece que a comunicação do presidente da República suscitou outras movimentações(…)há atletas que ouviram falar e estão aí, mas oficialmente não podemos retomar as actividades do treinamento sem que tenhamos o aval do Ministério da Saúde. Uma coisa é presidente dizer, outra coisa é acontecerem os factos, nós não queremos ser culpados de um alastrado de situações e piorar o estigma da infecção porque fomos irresponsáveis” explicou Penalva César Secretário Geral do COM.

No decorrer da reunião com às federações inclusas no processo, o Comitê Olímpico de Moçambique disponibilizou uma nota que continha algumas propostas, na qual foi possível ler-se que:

(…)Apenas serão autorizados a retomar às actividades de treino após a realização de testes de despiste para o coronavírus”.

E o mesmo protocolo, antes será submetido a um breve programa de formação, de modo a seguir com os cuidados:

“(…)todos intervenientes devem ainda submeter-se a um breve programa de formação sobre o modelo de retoma do processo de treino e cuidados” lê-se na referida nota.

No encontro houve ainda espaço para a discussão de importantes aspectos operacionais relacionados à este regresso, tais como:

▪︎A utilização de meios de deslocação; condições de distaciamento social entre atletas, treinadores, e outros elementos das quipes de trabalho; a consideração do espaço físico onde decorre o treino; condições de preparação, higienização, medicação previa da temperatura e diversos;

Posto isto, as federações apresentaram as suas inquietações, dificuldades e pontos de vista, tendo se acordado que até quinta-feira próxima, as federações vão apresentar as propostas de medidas preventivas segundo a realidade de cada modalidade.

NÓS VIVEMOS O DESPORTO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.