MEXER: “AGORA O VENTO SOPRA NA DIRECÇÃO CERTA”

O internacional moçambicano Edson Mexer Sitoe, defende que a actual geração dos Mambas pode fazer mais pelo país, trazendo resultados concretos, que espelhem a paixão do povo moçambicano pela modalidade.

TEXTO: ELTON VALDEMIRO

Mexer defendeu a tese durante uma entrevista concedida a Federação Internacional de Futebol (FIFA). Para um consumo integral, faremos a transcrição directa da mesma:

“Mexer é um dos pilares da seleção moçambicana, um dos poucos Mambas que ainda joga e que participou da AFCON. O defesa também passou muitos anos no futebol francês. Já se passaram dez anos desde que Moçambique apareceu pela última vez na Copa das Nações Africanas da CAF, quando a competição de qualificação também dobrou como eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA África do Sul 2010™. Embora os Mambas tenham perdido uma vaga nas finais mundiais, eles surpreenderam ao somar pontos na Nigéria e na Tunísia para ganhar uma passagem para as finais continentais pela primeira vez em 12 anos.

Foi um grande feito para os Mambas e foi inspirado por Manuel José Luis Bucuane, mais conhecido por Tico-Tico, uma lenda do futebol moçambicano e melhor marcador de sempre da selecção nacional. De sua sombra surgiu um jovem e talentoso zagueiro de nome Edson Andre Sitoe. Nascido na capital, Maputo, em 1988, cumpriu a promessa que tinha demonstrado ser um esteio da selecção nacional. Mais conhecido pelo apelido Mexer (“O Inquieto”), ele é um dos poucos membros da atual escalação que disputou a Copa das Nações Africanas de 2010.

“Quando você passa por alturas como essa, fica ainda mais triste por termos passado os últimos dez anos sem experimentar a alegria de nos classificarmos para um torneio novamente”, disse ele ao FIFA.com . “Passamos por momentos difíceis, mas agora temos muitos motivos para estar otimistas quanto ao futuro da seleção nacional. Tal como tínhamos naquela altura, temos alguns jovens de qualidade que querem ter sucesso e que estão a tirar partido de jogar na Europa, a maioria deles em Portugal.”

Mexer em ação pelo Bordeaux

Feliz na França, um herói em Moçambique, tal como em 2010, o actual escalão moçambicano conta com um jogador emblemático: Mexer . E enquanto Tico-Tico jogou o seu melhor futebol pela selecção nacional, o defesa-central, que somou 50 internacionalizações e marcou três golos pelo seu país, ganhou ainda mais respeito por se ter estabelecido na Europa, terra prometida para todos os jovens jogadores moçambicanos.

Depois de provar o seu valor no campeonato português com o Olhanense e o Nacional, Mexer deixou a sua marca na França, impressionando primeiro com o Rennes, onde venceu a Coupe de France em 2019, e depois com o Bordéus na época passada.

“Já estou em França há seis anos e sinto-me tão estabelecido no campeonato como no próprio país”, disse em francês com um sotaque português. “E se a experiência que estou recolhendo na Europa pode ajudar Moçambique, tanto melhor. É isso que falta à nossa selecção. Obviamente os torcedores moçambicanos esperam muito de mim porque jogo na Europa, mas sinto que isso me traz mais apoio do que pressão. Sinto que há muito respeito por mim.”

Mexer não é alguém com quem se mexer em campo. Com 1,86 m de altura, o meio-campo robusto é rápido e combativo com ele. Off-lo, no entanto, ele é um personagem fácil de lidar que deixa suas emoções mostrar quando se fala a sua terra natal: “meios Moçambique de modo muito para mim”, frisou. “A emoção nunca muda quando você joga pela seleção. É especial. É avassalador.”

Pensando alto

Ainda bem, dado o retorno iminente do futebol internacional, após ter sido suspenso pela pandemia de Covid-19. Na África, isso significa partidas de qualificação para a Copa Africana de Nações de 2022 e para o Catar de 2022, em duas competições distintas.

Moçambique está bem posicionado em ambos, tendo iniciado a sua tentativa de chegar à final continental com uma vitória por 2-0 sobre o Ruanda e uma vitória total das Maurícias por 3-0 na primeira eliminatória do Qatar 2022.

“Sejamos honestos e aceitemos que chegar à Copa do Mundo é um pouco difícil para o nosso país”, disse Mexer sobre uma campanha de qualificação em que as Mambas foram sorteadas com Camarões, Costa do Marfim e Malawi no Grupo D. “No entanto, está em nosso sangue dar tudo de nós e acreditar que podemos fazer isso. Você nunca sabe. ”

A seu ver, um lugar no Campeonato Africano das Nações do próximo ano é muito mais um golo realista para Moçambique, com os Mambas a ocupar o primeiro lugar de um grupo que mais uma vez conta com Camarões, assim como Cabo Verde e Ruanda. “Perdemos muitas finais continentais nos últimos anos e é hora de fazermos as pazes”, disse o Sr. Experience de Moçambique. “Tenho a sensação de que o vento está soprando em uma direção diferente agora. Eu sou otimista.”

A entrevista de Mexer à FIFA foi publicada esta quinta-feira (04).

Nós vivemos o Desporto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.